Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MINHA IRMÃ: AMOR IMPOSSÍVEL

Minha Irmã: Amor Impossível



Meu nome é Felipe e tenho 19 anos. Moro no bairro de Jardim América, na zona norte do Rio de Janeiro com meus pais e minha irmã Carolina, de 22 anos. Eu e minha irmã estudamos na mesma faculdade, mas somos de cursos e períodos diferentes. Eu faço Cinema e ela Pedagogia. Desde pequenos sempre fomos muito unidos e brincávamos sempre com nossos colegas da nossa rua. O fato de termos apenas quatro anos de diferença sempre favoreceu que estudássemos nas mesmas escolas e tivéssemos os mesmos amigos. E desde crianças dormimos no mesmo quarto, sendo que nossas camas ficavam apenas um metro uma da outra. Antes de dormir sempre ficamos horas e horas batendo papo, ouvindo música, jogando travesseiro um no outro, etc. Típicas coisas de criança. Com o passar dos anos porém essa proximidade começou a despertar em mim um sentimento ao mesmo tempo confuso e incontrolável. Comecei a olhar para a Carol com outros olhos, percebendo que ela estava se tornando uma mulher e que apesar de ser minha irmã eu começava a ter por ela algo maior que carinho fraterno: era desejo. à noite enquanto ela dormia eu ficava horas pela madrugada espiando e admirando seu corpo. Tantas vezes me levantava tentando juntar coragem de ir até sua cana e me deitar ao seu lado... Mas tinha medo do que ela fosse pensar e nem imaginava qual seria sua reação. Poderia até contar para os nossos pais! Eu então resolvia ficar quieto na cama, e me masturbava olhando para ela, sempre torcendo para que seu lençol escorregasse e eu pudesse olhar para as pernas que tanto me encantavam. Ela dormia quase sempre com um baby-doll todo branco, curtinho, que valorizava cada curva do seu corpo. Um outro fato fazia meu sangue ferver da cabeça aos pés: quando crescemos mais um pouco eu sempre ia dormir por volta das 11h e ela ficava na sala um pouco mais. Quando ela sentia sono ia então tomar um banho e em seguida vinha para o quarto apenas de toalha, com os cabelos docemente soltos e colocava o baby-doll. Era sem dúvida o momento mais mágico do dia para mim, pois podia apreciar minha irmã totalmente nua na minha frente. Eu, claro, sempre fingia estar dormindo, com o lençol sobre minha cabeça, mas deixava estrategicamente uma brecha por onde eu tinha um ângulo excelente para o espetáculo. Ela entrava, fechava a porta, aumentava o ar condicionado, abria uma gaveta, tirava sua calcinha, abria outra mais acima e tirava seu baby-doll. Virava de costas e então tirava a toalha, estendendo-a numa cadeira, mostrando um corpo simplesmente perfeito e enlouquecedor. E por muitos anos eu vi essa cena que era ao mesmo tempo inocente e erática. Depois que adormecia eu me levantava, me aproximava um pouco e sentia o cheiro delicioso do seu corpo, de ponta a ponta, sempre com cuidado para não acordá-la. Há alguns dias porém eu ousei ir um pouco mais longe. Estávamos na primeira semana de férias e portanto dormíamos mais tarde. Mas eu sempre vinha me deitar antes dela. Quando ela entrou de toalha mais uma vez a vi se trocar e colocar o baby-doll. Cerca de uma hora depois ela já estava num sono profundo e todo seu corpo estava à mostra. O calor do verão favorecia para que ela nem se cobrisse para dormir. Me levantei lentamente e fiquei de pé entre minha cama e a dela. Por baixo do meu xort meu pau latejava alucinadamente. Era a única peça de roupa que usava para dormir. Cheguei bem pertinho dela e senti seu cheiro. Aquele cheiro gostoso de banho que as meninas exalam é uma loucura. Com a idade da Carol então o cheiro fica quase que afrodisíaco! Quando senti todo o perfume do seu corpo me preparei para avançar mais o sinal. Encostei bem de leve minha mão direita em sua coxa. Dava pra ver que seu sono estava bem pesado. Era o sinal verde para eu ousar mais um pouco. Acariciei sua coxa bem devagar, sentindo cada centímetro de suas curvas, preenchendo-a com a palma da minha mão. Subia e descia, percorria por fora e percorria por dentro, onde eu sentia um calor altamente excitante. Parei um pouco e esperei para ver se ela mostrava alguma reação. Ela continuava dormindo profundamente. Então eu me sentei na cama dela, com seu corpo agora juntinho do meu. Ela dormia de lado, com a cabeça virada em minha direção. Um dos seus braços repousava sobre sua xana e o outro estava estirado ao longo do corpo. Aproximei meu rosto do dela, com cuidado para que ela não sentisse eu me aproximar. Quando estava a apenas dois dedos de seus lábios eu abri minha boca e encostei na dela. Finalmente sentia o sabor daqueles lábios tão desejados pelos meus! Sua respiração se alterou levemente eu me afastei um pouco. Ela continuou a dormir e eu voltei a me aproximar. Voltei a encostar minha boca na dela e então comecei a beijá-la. Com todo cuidado percorria cada cantinho de seus lábios, sentindo um sabor que me deixava mais excitado do que eu jamais estive em toda minha vida. Era um amor impossível que de certo modo se tornava realidade! Com um último estalinho me despedi dos seus lábios e me levantei da cama. Ela sequer havia mudado de posição. Fui então à procura do mais cobiçado dos tesouros. Sua xana estava enfim ao alcance de minhas mãos. Coloquei, sempre com cuidado, minha mão por dentro do xort do seu baby-doll. Meu passou a latejar mais forte. Senti o tecido macio de sua calcinha, que até então era sá um sonho para mim. Passei então meus dedos para dentro e finalmente senti em minhas mãos os pelinhos de sua boceta. Não havia tantos, provavelmente ela havia raspado durante o banho. Minha mão desceu mais um pouco e encontrei então a entrada para o seu corpo. Ela voltou a respirar um pouco mais pesado e eu fiquei totalmente parado ali, com minha mão apalpando sem se mexer a sua boceta. Ela ficou então de barriga para cima e uma de suas pernas caiu levemente de lado, abrindo caminho para que eu explorasse sua xana. Quando me certifiquei que seu sono estava novamente pesado penetrei nela os dedos indicador e médio, ao mesmo tempo. Ao sentir o líquido que vinha de dentro dela minha vontade era pular em cima da cama e enchê-la de beijos, iniciando uma tárrida noite de amor. Me controlei com muita dificuldade e me concentrei unicamente em explorar toda a sua intimidade. Ela não namorava há oito meses e provavelmente devia estar sedenta de prazer. Ao passar esta idéia em minha cabeça meus dedos começaram a se mover por dentro dela, indo cada vez mais fundo. Comecei então a masturbá-la bem devagar. Eu ia bem fundo e voltava, me saciando com cada centímetro que meus dedos percorriam. Sem parar eu me ajoelhei ao lado de seu rosto. Olhei para seus lábios. Sua respiração continuava a mesma. Ela com certeza dormia profundamente. Eu conhecia sua respiração quando estava com tanto sono. Afinal passei noites e noites admirando seu corpo, desejando fazer aquilo que minha mão fazia naquele momento. Me aproximei dela e voltei a beijá-la. Meus lábios deslizavam por sobre os dela e enquanto isso meus dedos aceleravam um pouco mais os movimentos dentro de sua xana. Cada vez que eles chegavam lá no fundo meu pau latejava mais forte. Somente apás meia hora eu parei de beijá-la. Me sentei então na cama e olhei para o xort do seu baby-doll, dentro do qual minha mão continuava se deliciando. Pouco tempo depois tirei meus dedos lá de dentro. Primeiro de sua boceta. Depois de alguns minutos de sua calcinha. E mais alguns minutinhos apás tirei de dentro do sue baby-doll. Ela sequer havia se mexido. Continuava tranquilamente no seu sono. Sem me levantar da cama dela a beijei mais uma vez e em seguida voltei para minha cama. Meu sonho havia se realizado, pelo menos até onde era possível. No dia seguinte tudo transcorreu normalmente. Se havia alguma dúvida de que a Carol não estivesse realmente dormindo esta dúvida não existiu mais. Não houve nada que me fizesse cogitar o contrário. Apás aquela noite tão sonhada eu voltei a repetir minha ousadia mais duas vezes. Aliás, a última vez que eu fiz isso foi ontem à noite.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


fotos porno mostrado xoxota pra bater acela puetacontos eroticos meu cunhado mim pergo su cumenda amulhe delecontos erotico esposa iniciada no lesbocontos minha irmã minha putafiseran eu comer minha sogra eminha conhada contocasada queria muito o pauzao do velho contoseu com minha pica machucada e ainda comi minha namorada contos eróticosSou casada fodida contocontos eróticos comi alineengravidei de outro conto eroticocontos eroticos caguei no pau do meu padrinhocontos erótico acabei indo pela primeira vez num sítio de naturistamininas por cabaço travsy eu agora eu sou mulher do meu ex primo viuvo conto eroticocontos eroticos eu ajudei meu amigoContos eróticos tremconto gay meu empregado deu curelato esposa safada na fazendacontos dei para meu cunhadinho novinhopaguei aposta chupando contos contos eroticos gays viagem de ferias para fazenda com dotadoTranzei cm meu primo,contoContos de incesto de meninas de 14 aninhos em Belém do Parápai q come filha no sitiocontoscontos erotico na praia de nudismo com meu sobrinhocontos eróticos gay o filho do pastorconto atochada corno xxxcontos eroticos comendo a funcionaria novata casada da lojaconto erotico tia gostosa calcinha atolada no regocontos Praia de nudismo.gostosa.acarisiado.a.buseta.deibacho.da.mesaConto erótico gay caçamba de carro de madrugadaperdi meu cabaço para o patrao sobre chantagecontos a filhinha de fii dando p i papaimulher casada e evangelica dando o cu,contos sexMinha ginecologista contos eroticosnosso primeiro ménage com um colega de trabalho - relatosContos com comecei a usa fio dental e dar o cuzinhoContos eroticos seios machucadosarrombando o cuzao da tia coroa silteirona na casa delaf minha familia em grande orgia contos eroticosMeu sobrinho me fez gozar gostoso contos eroticos de gayscontos eroticos de enteadascontos eroticos comendo a helena empregadaconto erótico de casada que chegou em casa completamente arrombada e o marido percebeucontos sexo tia dominando sobrinhoa calcinha toda travada no raboConto gay sendo a femea do titiocontos eroticos gosto de levar piça no cu e porradaContos eroticos te amo mana mulher se esfregandono travesseiro contolingua passeando xoxotaEu já não era mas virgem quando meu pai me comeuconto gay teen 20 anosSou casada fodida contoWww.contoeroticopai.comuma sogra com a bunda de 90cm foi arrombada pelo genro super roludo conto eroticomulher tranzndo com ponei realcontos fudendo vizinha novinhaeu quero ver anaconda chupando leite da mãecontos eroticos primeiro cuminha cunhada casada me esnobou contosfuder com padrasto contoscontos eróticos minhas afilhadinhas da bocetinha bem novinhasempre dou uma escapadinha contoscontos eroticos traindocontos eroticos estuprada e gemendo gostoso issooo vaiiii nao parapone encaxa tudo na morenaminha sobrinha me chupou enquanto eu dormiaeu quero vem pica de cinicomexoxota doce contosgays chupando cu de macho caretame depilei pro carnaval contoscontos eroticos medicocontos eroticos verdadeiro primo bem dotado da minha mulher pasa ferias em casaproctologista me comeu gayContos de sexo virgem dor extrema membro grosso teen incestocontos minha mae comeucontos eróticos porno primeira vez com a namoradachupando o professor de portugues enquanto ele dava aula contowww.contos eroticos com fotos de comendo a madrastaconto erotico senti vontade de transa com um traveco pq so kadadoconto.minha esposa deu para 5contos eróticos frio chuvacontos de sexo gostosa deu pra mim na a baladaminha filha camila contos eroticosuma travesti usou camisinha colocou na boca da mulher no filme pornôxoxota e picas contosconto erotico cinema marido e mulher